23 de mar de 2013

Devaneios


Ao ler um texto da Martha Medeiros chamado Felicidade nas pernas.
De repente, aparentemente do nada, me vi sentada, fazendo  um balanço, e tentando perceber a  real situação da vida, dessa vida cotidiana...
Aí está você, e de repente você percebe que você está gastando toda a sua vida apenas mal chegando. Você mantém uma boa frente. Você consegue fazer face às despesas de alguma forma e olhar OK do lado de fora.
Mas esses períodos de desespero, aqueles momentos em que você sente tudo desabar em você, você mantem  para si mesmo. Está uma bagunça. E você sabe disso.Mesmo assim conseguimos esconder isso lindamente. Enquanto isso forma, para baixo sob tudo o que você acabou de experimentar, pensamentos  que tem haver de alguma forma com outra maneira de viver, alguma melhor maneira de olhar para o mundo, uma maneira de tocar a vida mais plenamente. Você clica nela por acaso, agora e depois. Você consegue um bom emprego. Você se apaixona. Você ganha o jogo. e por um tempo, as coisas são diferentes. A vida assume uma riqueza e clareza que faz todos os maus momentos e coisas monótonas desaparecerem. A textura toda a sua experiência e as mudanças que você diz para si mesmo: "OK, agora eu fiz isso, agora eu vou ser feliz". Mas, então, que se desvanece, também, como fumaça ao vento. Você é deixado com apenas uma memória. Isso e uma vaga consciência de que algo está errado.
Será que não há outro reino onde  toda a profundidade e sensibilidade disponível na vida e que  de alguma forma, você não consegue ver (experimentar)?
Você acaba se sentindo cortado. Você se sente isolado da doçura de experiência por algum tipo de algodão sensorial. Você não está realmente a tocar vida?
 Você não está fazendo isso de novo!! O mundo parece que o lugar habitual falta, o que é chato na melhor das hipóteses. É uma montanha-russa emocional, e você gasta muito do seu tempo caminhando  para as alturas, visualizando o pote dourado ( o emprego, a grana, o relacionamento ideal, o status, o reconhecimento...)
Então, o que está errado com você? Você é um louco? Não. Você é apenas humano. E você sofre do mesmo mal que infecta todos os seres humanos. É um monstro dentro de todos nós, e tem muitos braços: tensão crônica, falta de compaixão genuína pelos outros, incluindo as pessoas mais próximas a você, sentimentos bloqueados, e morte emocional. Muitos, muitos braços. Nenhum de nós é inteiramente livre dele. Nós podemos negar. Nós tentamos suprimir. Nós construímos toda uma cultura em torno, escondendo, fingindo que não está lá, e ficamos distrair-nos de que, com metas e projetos e status tudo está e ficará bem. Maravilhoso, não? Mas nunca vai embora. É uma corrente constante em cada pensamento e cada percepção, uma voz sem palavras na parte de trás da cabeça, dizendo: "Não é bom o suficiente ainda tem que ter mais Tenho que fazer isso melhor Tem que ser melhor...." É um monstro, um monstro que se manifesta em todos os lugares, de formas sutis.
Ir a uma festa. Ouvir o riso, a voz frágil de língua que diz o divertimento na superfície e debaixo de medo. Sinta a tensão, sentir a pressão.Ninguém relaxa. Eles estão fingindo. Ir a um jogo de bola. Assista o ventilador no estande. Assista ao ajuste irracional de raiva. Assista a frustração descontrolada borbulhando diante de pessoas que se disfarça sob o pretexto de entusiasmo, ou espírito de equipe. Vaias e egoísmo desenfreado em nome da lealdade da equipe. Embriaguez, brigas nas arquibancadas. Estas são as pessoas que tentam desesperadamente para liberar a tensão de dentro. Estas não são as pessoas que estão em paz consigo mesmos. Veja as notícias na TV.Ouça as letras em canções populares. Você encontra o mesmo tema repetido várias vezes em variações. O ciúme, o sofrimento descontentamento, estresse, agressões...
Ahh!! A vida também parece ser uma luta perpétua, algum esforço enorme contra chances incríveis.
Ficamos presos no 'Se' (síndrome): Se eu tivesse mais dinheiro, então eu seria feliz. Se só eu posso encontrar alguém que me ama de verdade, se eu posso perder 20 quilos, se eu tivesse uma TV a cores, jacuzzi e cabelo liso  e assim por diante para sempre.
Então onde é que todo esse lixo vem e ,mais importante, o que podemos fazer sobre isso? Ele vem das condições de nossas próprias mentes. É definido, profundo sutil e penetrante de hábitos mentais, um nó primordial que temos construído pouco a pouco e podemos desvendar exatamente da mesma maneira, uma peça de cada vez. Nós podemos afinar a nossa consciência de dragagem, se cada peça separada e trazê-lo para a luz. Nós podemos fazer o inconsciente consciente, lentamente, uma peça de cada vez.
A essência de nossa experiência é a mudança. A mudança é incessante. Momento a momento a vida flui e nunca é o mesmo. Alteração permanente é a essência do universo perceptual. A molas do pensamento em sua cabeça e meio segundo depois, ele se foi. E vem outro, e que se foi também. Um som atinge seus ouvidos e depois o silêncio. Abra os olhos e para o mundo derrame um  piscar e ele se foi. Pessoas entram na sua vida e saem  de novo. Amigos vão, parentes morrem. . Às vezes você ganha e assim como muitas vezes você perde. É incessante: mudança, mudança, mudança. Não existem dois momentos que sejam sempre o mesmo.
Não há nada de errado com isso. É a natureza do universo. Mas a cultura humana nos ensinou algumas respostas estranhas a este fluxo interminável. Nós categorizamos experiências. Tentamos ficar em  cada percepção, cada mudança mental neste fluxo interminável em um dos três escaninhos mentais. É bom ou é ruim, ou é neutro. Em seguida, em  qual caixa devemos colocá-lo para que possamos acessá-lo como um conjunto de fixos habituais para as nossas respostas mentais. Se uma percepção particular tem sido rotulada "boa", então nós tentamos parar o tempo ali. Nós agarramos a esse pensamento particular, acariciamos , nós tentamos mantê-lo, não o deixamos escapar. Quando isso não funciona, vamos com tudo,em um esforço contínuo para repetir a experiência que causou esse pensamento.
Ao longo do outro lado da mente está a caixa "ruim". Quando percebemos algo "ruim", tentamos afastá-lo. Nós tentamos negá-lo, rejeitá-lo, se livrar dela de qualquer maneira que pudermos. Nós lutamos contra a nossa própria experiência. Corremos de pedaços de nós mesmos. Entre estas duas reações encontra-se a caixa  neutra. Aqui nós colocamos as experiências que não são nem boas nem más. São mornas,desinteressantes e chatas. Nós embalamos experiência de distância, na caixa neutra, para que possamos ignorá-la e, assim, voltar a nossa atenção para onde está a ação, ou seja, o nosso círculo infinito do desejo e da aversão. Esta categoria de experiência fica privada de seu quinhão, da nossa atenção. Simplesmente ignoramos. O resultado direto de toda a loucura é uma corrida em esteira perpétua para lugar nenhum, sem parar,batendo depois de prazer, sem parar de fugir da dor, infinitamente ignorando 90 por cento da nossa experiência. Em última análise, pergunto-me se esse é um sistema que funciona?Qual o preço que pagamos por isso?
Não importa o quão duro você busque  o prazer e o sucesso, há momentos em que você vai  falhar. Não importa o quão rápido você possa  fugir, há momentos em que a dor alcança  você. E entre esses tempos, a vida é tão chata que você podia gritar. Nossas mentes estão cheias de opiniões e críticas. Nós construímos muros em torno de nós mesmos e estamos presos com a prisão de nossos próprios gostos e desgostos. Nós sofremos. O sofrimento é uma grande palavra no pensamento budista. É um termo chave e este deve ser bem compreendido.  À primeira vista, isso parece extremamente mórbido e pessimista. É tudo transitório.
Soa muito triste, não é? Felizmente, não é, não ao todo. Ele- o sofrimento- só soa sombrio quando você vê-lo a partir do nível de perspectiva mental ordinária, o nível muito rasteiro em que o mecanismo da esteira mental opera.
Acredito que existe um estado mental que se situa uma outra perspectiva geral, uma maneira completamente diferente de olhar para o universo. É um nível de funcionamento em que a mente não tenta congelar o tempo, onde não agarrar a nossa experiência como flui por, onde não tentar bloquear as coisas e ignorá-las. Elas são exatamente o que são.. É um nível de experiência para além do bem e do mal, além do prazer e da dor. É uma bela ( não sei se bela - pra você também?) maneira de perceber o mundo, acredito que seja uma habilidade aprendida. Não é fácil, mas é aprendida.
Felicidade e paz. São esses os principais problemas da existência humana. Isso é o que todos nós estamos buscando. Isso muitas vezes é um pouco difícil de ver porque nós encobrir esses objetivos básicos com camadas de objetivos de superfície. Queremos comida, queremos dinheiro, queremos sexo, posses e respeito. Nós até dizemos para nós mesmos que a idéia de "felicidade" é muito abstrata: "Olha, eu sou prático Apenas me dê bastante dinheiro e vou comprar toda a felicidade que eu preciso.". Infelizmente, esta é uma atitude que não funciona.Examine cada uma dessas metas e você vai descobrir que eles são superficiais. Você quer comida. Por quê? Porque eu estou com fome.Então você está com fome, e daí? Bem, se eu comer, eu não vou estar com fome e então eu me sinto bem. Ah ha! Sinta-se bem! Agora, há um item real. O que nós realmente procuramos é não os objetivos de superfície. Eles são apenas meios para um fim. O que realmente desejam é a sensação de alívio que vem quando a unidade está satisfeito. Relaxamento, alívio e fim da tensão. Paz, felicidade, desejo, não mais.
Então, o que é essa felicidade? Para a maioria de nós, a felicidade perfeita significaria recebendo tudo o que queríamos, estar no controle de tudo, jogar "Ave César" , fazendo com que o mundo todo dançar um gabarito de acordo com todos os seus caprichos. Mais uma vez, não é assim que funciona. Dê uma olhada na história das pessoas que realmente tinham essa potência final. Estas não eram pessoas felizes. Com toda a certeza eles não eram homens em paz consigo mesmos. Por quê? Porque eles foram levados para controlar o mundo total e absoluta e não puderam. Eles queriam controlar todos os homens e lá permaneceram homens que se recusaram a ser controlados. Eles não podiam controlar as estrelas. Eles ainda ficavam doentes. Eles ainda tiveram que morrer.
Você nunca pode obter tudo o que deseja. É impossível. Felizmente, não há outra opção. Você pode aprender a controlar sua mente, para sair deste ciclo infinito do desejo e da aversão. Você pode aprender a não querer o que você quer, para reconhecer desejos, mas não pode ser controlado por eles. Isso não significa que você se deitar na estrada e convidar todos a andar em cima de você. Isso significa que você continuar a viver uma vida muito normal para o futuro, mas viver de um ponto de vista totalmente novo. Você faz as coisas que uma pessoa deve fazer, mas você está livre de que impulsividade, transtorno obsessivo compulsivo de seus próprios desejos. Você quer algo, mas você não precisa correr atrás dele. Você tem
medo de alguma coisa, mas você não precisa ficar aí tremendo em suas botas. Este tipo de cultura mental é muito difícil. Leva anos!!Mas tentar controlar tudo é impossível, e o difícil é preferível ao impossível.
Espere um minuto, no entanto...apareceram outros pensamentos...
Paz e felicidade! Não é isso que a civilização quer?  Tudo isso?
Nós construímos arranha-céus e rodovias. Nós pagamos férias, aparelhos de TV. Nós fornecemos hospitais gratuitos, segurança e benefícios sociais. Tudo isso tem como objetivo fornecer alguma medida de paz e felicidade. No entanto, a taxa de doença mental sobe constantemente, e os índices de criminalidade subir mais rápido. As ruas estão cheio de delinquentes e pessoas instáveis. Cole seus braços fora da segurança de sua própria porta e alguém é muito provável que roubar o seu relógio! Algo não está funcionando. Um homem feliz não se sente impulsionado a matar.Nós gostamos de pensar que a nossa sociedade está a explorar todas as áreas do conhecimento humano, a fim de alcançar a paz ea felicidade. Estamos apenas começando a perceber que temos superdesenvolvido o aspecto material da existência, em detrimento do aspecto emocional mais profundo e espiritual, e estamos pagando o preço por esse erro. É uma coisa a falar sobre a degeneração da fibra moral e espiritual da sociedade, e outra coisa a fazer algo sobre isso. O lugar para começar é dentro de nós mesmos. Olhe atentamente para dentro, verdadeira e objetiva, e cada um de nós vai ver momentos em que "Eu sou o punk" e "Eu sou o louco". Vamos aprender a ver esses momentos, vê-los claramente, limpa e sem condenação, e estaremos em nosso caminho para cima e fora, de ser assim.
Você não pode fazer mudanças radicais no padrão de sua vida até que você comece a ver-se exatamente como você está agora. Assim que você fizer isso, as mudanças fluem naturalmente. Você não tem que forçar ou lutar ou obedecer a regras ditadas a você por alguma autoridade. Você acabou de mudar. É automático. Mas chegar à visão inicial é uma tarefa bastante. Você tem que ver quem você é e como você é, sem julgamento, ilusão, ou a resistência de qualquer tipo. Você tem que ver o seu próprio lugar na sociedade e sua função como um ser social. Você tem que ver os seus deveres e obrigações para com seus semelhantes, e, acima de tudo, a sua responsabilidade para si mesmo como uma pessoa que viva com outros indivíduos. E você tem que ver tudo isso de forma clara e como uma unidade, uma gestalt ( não sou capacitada pra falar em gestalt, mas foi a melhor expressão que surgiu no meu pensar,não fiquei resistente, deixei fluir) única de inter-relação. Parece complexo, mas ocorre muitas vezes em um único instante. Cultura mental através da meditação é sem rival em ajudar você a atingir esse tipo de entendimento e felicidade serena.
Comecei  a ler Dhammapada é um texto budista antigo que antecipou Freud ( minha paixão primeira) por milhares de anos. Ele diz: "O que você é agora é o resultado do que você era, do que você será amanhã e  será o resultado do que você está agora . As conseqüências de uma mente perversa o seguirá como o carro segue o boi que puxá-lo... As consequências de uma mente purificada irá segui-lo como sua própria sombra Ninguém pode fazer mais por você do que sua própria mente purificada -.. nenhum pai, nenhum parente, nenhum amigo, ninguém Uma mente bem disciplinada traz felicidade ".
to.
Em nossa sociedade, somos grandes crentes na educação. Acreditamos que o conhecimento faz com que uma pessoa culta  civilizada.Civilização, no entanto, lustra a pessoa superficialmente. Sujeitar nosso cavalheiro nobre e sofisticado para tensões de guerra ou de colapso econômico, e ver o que acontece. É uma coisa que obedecer a lei, porque você sabe que as sanções e temem as conseqüências. É algo totalmente diferente de obedecer a lei, porque você tem purificado-se da ganância que faria você roubar, o ódio que faria você matar. Jogue uma pedra em um córrego. A água corrente iria alisar a superfície, mas a parte interna permanece inalterada. Tome essa mesma pedra e ao  colocá-lano fogo intenso de uma forja, e as mudanças de pedra inteiros dentro e fora. Tudo se derrete.
Civilização, homem muda do lado de fora. Meditação suaviza dentro, através e completamente.
Meditação é o fogo cadinho de limpeza que funciona lentamente através da compreensão. A sua  maior compreensão, mais flexível e tolerante você pode ser. A sua  maior compreensão, o mais compassivo você pode ser. Você está pronto para perdoar e esquecer. Você sente o amor para com os outros, porque você compreende. E você compreende os outros, porque você entendeu a si mesmo. Você olhou profundamente para dentro e viu a ilusão e  as suas próprias falhas humanas. Você já viu a sua própria humanidade e aprendeu a perdoar e a amar. Quando você aprendeu compaixão por si mesmo, compaixão pelos outros é automático.
A meditação é muito parecida com o cultivo de uma nova terra. Para fazer um campo de uma floresta, primeiro você tem que limpar as árvores e retirar os tocos. Então você cultiva o solo e fertiliza. Então, você irá semear a sua semente e colher suas colheitas. Para cultivar a sua mente, primeiro você tem que limpar os irritantes que estão no caminho, trazê-los para  fora pela raiz para que eles não voltem a crescer. Então você vai fertilizar. Você bomba energia e disciplina no solo mental. Então você semear e colher, fé, tranquilidade e sabedoria.
Fé e a moral, a propósito, tem um significado especial neste contexto. Numa visão, talvez budista, defendo a fé no sentido aqui é mais perto de confiança. Não tenho fé no que simplesmente está escrito num livro, não tenho fé porque algum profeta manifestou-se...
É saber que algo é verdade, porque você já viu isso funcionar, porque você tem observado a coisa dentro de si. Da mesma maneira, não é uma moralidade, uma  obediência ritualística para alguns,  externar um código, imposto de comportamento.
Cada vez mais acredito que o  objetivo da meditação é a transformação pessoal. O que entra por um lado da experiência de meditação não é o mesmo que sai do outro lado. Ele muda o seu personagem através de um processo de sensibilização, fazendo com que você profundamente consciente de seus próprios pensamentos, palavras e ações. Sua arrogância evaporou-se e seca-se o seu antagonismo. Sua mente torna-se calma. E sua vida suaviza. Assim, a meditação corretamente executada prepara para enfrentar os altos e baixos da existência. Ela reduz a tensão, o medo, e sua preocupação. Inquietação recua e moderamos as paixões. As coisas começam a se encaixar e sua vida se torna um deslize ao invés de uma luta.Tudo isso acontece através da compreensão.
Meditação aguça a sua concentração e seu poder de pensamento. Então, peça por peça, suas motivações subconscientes próprias e mecânicas ficam claras para você. Sua intuição aguça. A precisão de seus aumentos de pensamento e gradualmente chegar a um conhecimento direto das coisas como elas realmente são, sem preconceitos e sem ilusão.
 Então este é motivo suficiente para se preocupar? Não!!!!!
Estas são apenas promessas no papel. Há apenas uma maneira que você vai saber se a meditação vale a pena o esforço. Aprenda a fazer e ao fazê-lo, veja por si mesmo!!

Paz e luz!
Felicidade já é outra história...estou com  o pensamento nas pernas!! Vou ao deleite!!
Judi Menezes