16 de nov de 2011

Separação sem traumas


Por Laila Pincelli
Não é fácil por fim a uma relação amorosa, mas protelar tal decisão pode tornar o momento ainda mais doloroso.
No princípio era como um sonho. Parecia que tinham sido feitos um para o outro - interesses em comum, encontros românticos e divertidos, atração física e admiração. Podiam jurar que duraria para sempre. No entanto, algo fez com que toda esta aparente magia se dissipasse...
Aonde foi parar aquela pessoa por quem um dia você se apaixonou? Muitos se perguntam se foi o tempo, a rotina que se instalou na vida a dois ou as brigas constantes que transformaram o sentimento inicial. Fato é que aos poucos, um dos parceiros ou ambos, começam a questionar a continuidade da relação.
Mesmo sendo mais comum nos dias de hoje a separação não é isenta de dificuldades. A decisão pela separação se torna ainda mais complexa pelo tempo de envolvimento do casal, por terem filhos (ainda mais quando são muito pequenos), e por outras implicações familiares e sociais, como rede de amigos e questões financeiras.
Seja ao terminar um casamento ou por fim a um namoro, diversos sentimentos e fantasias são internamente despertados nos parceiros. Por isso é tão freqüente nos depararmos com casais que há muito se mostram infelizes e sem interesse um pelo outro, mas que se mantem juntos para a surpresa de todos!
Para aquele que toma a iniciativa pela separação é bastante freqüente o sentimento de culpa. A princípio pode se ressentir por achar que está ‘traindo’ os sonhos do casal, todos os planejamentos que um dia fizeram para o futuro. Surgem pensamentos do tipo: “Já investimos tanto nesta relação, será que não é necessário um pouco mais de esforço para que a situação se transforme?” ou “Estou abandonando o barco sem ter tentado tudo que é possível?”.
Outros sentimentos que fazem adiar a decisão é o medo de ficar sozinho(a), de machucar o outro e vê-lo sofrer. Existe também o receio de se arrepender e achar que não poderá voltar atrás.
Todas estas questões somadas ao fato de que, na maioria das vezes, o parceiro que não concorda com a separação comporta-se de modo a não facilitar as coisas colocam a separação e o divórcio entre os cinco principais fatores causadores de estresse, juntamente com morte de ente querido, doença e desemprego.
Enfim, é um passo importante que deve ser pensado e repensado... Isto auxilia uma tomada de decisão mais madura, que não seja movida por impulsos de um momento ruim.
E, para vivenciar este processo de maneira mais consciente é imprescindível que você busque entender profundamente o que o/a leva a querer por fim na ligação com seu/sua atual parceiro(a). Foram fatos isolados que o/a decepcionaram ou a relação de um modo geral não lhe traz mais felicidade? Seria esta uma fase isolada de insatisfação ou se trata de um sentimento freqüente? O que espera com o fim desta relação?
Se estiver difícil orientar seus pensamentos, a Terapia de Casal ou Psicoterapia individual podem ser instrumentos importantes neste momento, para auxiliá-los no amadurecimento de suas idéias, tanto no sentido de buscar o entendimento quanto de facilitar o processo de separação.
Ao decidir-se leve em conta que dificilmente você terá certeza absoluta sobre os resultados disto tudo. Assim como diversas outras coisas em nossa vida só saberemos se é o caminho correto quando já o estivermos percorrendo! Portanto, após uma conversa franca com seu parceiro, é preciso se desvencilhar dos sentimentos de culpa, de dúvida, de vergonha que fazem com que a decisão seja protelada.
Dependendo de quais são os fatores motivadores da separação (como por exemplo: incompatibilidade de gênio; desinteresse afetivo um pelo outro; insatisfação sexual; ausência de diálogo; infidelidade; etc.) a sensação de ‘luto’ pelo fim da relação se inicia muito tempo antes do fim declarado.
Já separados aceite que a relação chegou ao fim. Isto provavelmente implicará em tristeza, solidão e sofrimento por um período. Esta fase varia de pessoa para pessoa e da maneira como cada um enfrenta o momento.
Poder olhar para seu passado e rever sua história de maneira objetiva e tranqüila é um modo de se conhecer, se desenvolver e se preparar para o novo, para o futuro!
Outras atitudes também podem ajudar. Busque relações de amizade, encontre atividades que lhe dêem prazer. Desvincule-se de tudo que pareça negativo e o impeça de caminhar para frente.
É bem provável que você tenha vislumbrado a separação como uma possibilidade de bem-estar pessoal, de sentir-se bem e feliz, de ter a oportunidade de crescimento interno ao viver seus ideais individuais. Então, siga em frente e dê a si mesmo(a) a oportunidade de descobrir-se nesta nova realidade!



Sei que nem sempre é fácil separar, independente das circunstâncias sempre é doloroso.
 Mesmo que você seja você quem vai obter maior benefício com essa decisão. Saber do sofrimento alheio, principalmente, de alguém que fez parte da sua história, que entrou na sua vida por alguma razão ( que na época parecia maravilhosa), que um dia fez seu coração bater mais forte.
 Mesmo que você já tenha encontrado outro(a) que faça sua vida vibrar com maior intensidade ou talvez não tenha encontrado ninguém, apenas deseje encontrar-se consigo mesmo(a), com esse eu singular que andava perdido porque foi desconectado em algum momento da vida a dois. 
Mesmo que essa mudança, esse momento de transitoriedade esteja sendo vivenciado com positividade, lembraremos sempre que o outro(a) possivelmente não esta vivenciando da mesma forma , talvez, apenas talvez, para a outra parte, que não é mais parte , nem metade, fique apenas a dor dilacerante do rompimento que se fez necessário. 





Paz e luz!!
Judi Menezes




13 de nov de 2011

Uma história de amor...



Quando o Sol e a Lua se encontraram pela primeira vez, se apaixonaram perdidamente e a partir daí começaram a viver um grande amor.Acontece que o mundo ainda não existia e no dia que Deus resolveu criá-lo, deu-lhes então o toque final ... o brilho !Ficou decidido também que o Sol iluminaria o dia e que a Lua iluminaria a noite, sendo assim, seriam obrigados a viverem separados.Abateu-se sobre eles uma grande tristeza quando tomaram conhecimento de que nunca mais se encontrariam. A Lua foi ficando cada vez mais amargurada, mesmo com o brilho que Deus havia lhe dado,ela foi se tornando solitária. O Sol por sua vez havia ganho um título de nobreza "ASTRO REI" , mas isso também não o fez feliz.Deus então chamou-os e explicou-lhes : - Vocês não devem ficar tristes, ambos agora já possuem um brilho próprio.Você Lua, iluminará as noites frias e quentes, encantará os enamorados e será diversas vezes motivo de poesias.Quanto a você Sol, sustentará esse título porque será o mais importante dos astros, iluminará a terra durante o dia, fornecerá calor para o ser humano e a sua simples presença fará as pessoas mais felizes.A Lua entristeceu-se muito com seu terrível destino e chorou dias a fio ... já o Sol ao vê-la sofrer tanto, decidiu que não poderia deixar-se abater pois teria que dar-lhe forças e ajudá-la a aceitar o que havia sido decidido por Deus.No entanto sua preocupação era tão grande que resolveu fazer um pedido a Ele :- Senhor, ajude a Lua por favor, ela é mais frágil do que eu, não suportará a solidão... E Deus em sua imensa bondade criou então as estrelas para fazerem companhia a ela.Lua sempre que está muito triste recorre as estrelas que fazem de tudo para consolá-la, mas quase sempre não conseguem. Hoje eles vivem assim .. separados, o Sol finge que é feliz , a Lua não consegue esconder que é triste. O Sol ainda esquenta de paixão pela Lua e ela ainda vive na escuridão da saudade.Dizem que a ordem de Deus era que a Lua deveria ser sempre cheia e luminosa, mas ela não consegue isso ... porque ela é mulher, e uma mulher tem fases. Quando feliz consegue ser cheia, mas quando infeliz é minguante e quando minguante nem sequer é possível ver o seu brilho.Lua e Sol seguem seu destino, ele solitário mas forte, ela acompanhada das estrelas, mas fraca. Humanos tentam a todo instante conquistá-la, como se isso fosse possível. Vez por outra alguns deles vão até ela e voltam sempre sozinhos, nenhum deles jamais conseguiu trazê-la até a terra, nenhum deles realmente conseguiu conquistá-la, por mais que achem que sim. Acontece que Deus decidiu que nenhum amor nesse mundo seria de todo impossível, nem mesmo o da Lua e do Sol ... e foi aí então que ele criou o eclipse!Hoje o Sol e a Lua vivem da espera desse instante, desses raros momentos que lhes foram concedidos e que custam tanto a acontecer. Quando você olhar para o céu a partir de agora e ver que o Sol encobriu a Lua é porque ele deitou-se sobre ela e começaram a se amar e é ao ato desse amor que se deu o nome de eclipse. Importante lembrar que o brilho do êxtase deles é tão grande que aconselha-se não olhar para o céu nesse momento, seus olhos podem cegar de ver tanto amor


Bem, mas na terra também existe sol e lua ... e portanto existe eclipse .. mas essa era a única parte da história que você já sabia, não era ?
Namastê

Para você, em especial, que talvez viva a  tristeza de um amor do tipo SOL E LUA... aproveite o eclipse... ninguém sabe quando vai acontecer novamente!!

Paz e Luz!
Judi Menezes